Cancele a assinatura…

A gente tem brincado que se desse, cancelariamos a assinatura de 2021… Tanta espectativa de um prumo para está crise sanitária tem se dissipado como bolhas de sabão que sopravamos numa distante infância… Cinzas ao vento numa encosta sombria.. Encarcerados em nosso íntimo, Nossas verdades Mentiras Anjos Demônios Desta vez, uma nova realidade debaixo do […]

IMG_20210314_005558_021

IMG_20210314_005558_021

Acolhimento…

Memórias afetivas possuem uma interface totalmente subjetiva Esbarra no mesmo critério misterioso que seguem as entrelinhas que definem os caminhos que moldam tanto nossa psique quanto os consequentes caminhos e escolhas de nossa existência Amores, dores, encontros desencontros… Pequenas fatias do nosso todo , que no fundo representa o nada perante o infinito dos tempos… […]


Música e espiritualidade

Música e espiritualidade, sempre andaram de mãos dadas
Muito do crescimento do ser humano esta intrinsicamente ligado com a relação direta da música com as pessoas, seja no papel de ouvinte, performer ou dilata.
Desde os primórdios da base dos pilares filosóficos da civilização a música servia coo base para compreender a própria dinâmica da sociedade e o sentido da existência.
Pitágoras talvez tenha sido o grande aglutinador, o espirito da renascença muito antes desta mesma
O ser que mostrou como a multiplicidade faz parte da essência e verdade do ser humano.
Ao aglutinar busca pela espiritualidade aos questionamentos dos seres humanos.
Suas angustias, dores, alegrias, verdades, tratando o espelho interno do ser humano como a reposta do mito das cavernas.
“ A maior Plateia que existe, é aquela que te ouve, quando você está sozinho, treinando no teu quarto.
Márcio Okayama



IMG_20210217_002403_822

Escola do Pensamento fora do padrão

O meu grande amigo, parceiro Guto Maia me convidou como um dos líderes/ apoiadores deste lindo projeto de um novo formato de universidade…. novidades no correr do ano …PS: pensar fora da caixinha é um sacerdócio meu desde a infância…rs


Requiem…

Tem sido muito triste observar a ida de grandes artistas, amigos colegas de ofício e sacerdócio… Independente de serem idas causadas pelo Covid, muitas tem sido por razões diversas, sabe se lá , como todo este entorno surreal está afetando de maneira devastadora o emocional e mental … E como vários amigos profissionais da saúde […]

IMG_20201122_010430_123

Numa rua da Praça da Àrvore…


“ A vida só pode ser compreendida olhando-se para trás, mas só pode ser vivida olhando-se para a frente…. “, foi um célebre citação do filosofo dinamarquês Soren Kierkegaard, precursor do existencialismo.
Em nossa maluca e efêmera existência , mal percebemos que pequenos atos e ações aparentemente singelas tem a força de um Tsunami no definir de nossos rumos.
Como uma vez o Dalai Lama fez a analogia de como um pequeno mosquito pode acabar com o sono de um gigante.Ponto como a distante data , um final de tarde dos já distantes anos oitenta ,ao me deparar com um aluno mais velho da escola que estudava na Vila Mariana em Sampa, com uma guitarra pendurada , enquanto conversava com uma garota loira…um dia de cores difusas na minha memória, parecido com aquele tom desbotado de fotos antigas , tão imitado agora, nos filtros digitais que usamos para envelhecer fotos novas( sintomático, não?).
Eu era um” pivete” e o abismo de gerações era muito maior naqueles distantes anos oitenta…minha mãe comentou com o garoto, que eu já admirava rock, mas nunca tinha visto uma guitarra de perto…
Talvez a centelha do rumo que direcionei minha vida foi lançada naquele dia; talvez anos depois, ou talvez, muito antes em memórias difusas da infância ao brincar com o piano da sala ou admirar uma 335 nas mãos do Gato( nosso primeiro herói da guitarra que acompanhava o Rei em sua fase aúrea), estampada na capa de um velho disco do Roberto Carlos .Seriam brincadeiras na infância, no meio do éter e da poeira cósmica , ou seria tudo isto citado apenas romantismo barato e elocubraçâo? Uma certeza podemos ter: as escolhas sempre acompanham e definem nossos rumos, de maneira subjetiva ou direta; sutil como uma brisa ou forte como um tapa na cara. Saber se reinventar e olhar para frente é obrigação de qualquer profissional e ser humano, nesta era em que vivemos.
Um momento paradoxal, onde parecemos ter tudo e nada ao mesmo tempo.
Talvez seja nossa obrigação achar nossa própria verdade, no meio destes dois extremos que , dizem os sociólogos, caracterizam a nossa era.
Uma era de extremos e infinitas cores difusas entre estes dois limites….
Bem vindos!
Boa sorte a todos nós!

Márcio Okayama

P.S:Em tempo, a guitarra em si pendurada no cara, era uma cópia da Jaguar..talvez uma Super Sonic…


Zappa Eterno

A obra de Frank Zappa talvez seja uma das mais diversificadas dentro de toda a história da música pop; motivo de tratados de estudos e inspiração para inúmeros músicos ao redor do planeta. Indo desde incursões pelo Jazz Rock, flertes com o pop, Blues , doo bop, country, reggae , chegando em obras sinfônicas( particularmente acho estas últimas seu legado definitivo , que o coloca no mesmo patamar de nomes como : Penderecky, Stravinsky e Mahler).
Sem dúvida uma expedição extraterrestre estudando os rescaldos da civilização após o Apocalipse, iria classificar a obra do Maestro no mesmo grau de importância da arquitetura do Egito antigo ,dos filmes do Fellini e dos poema de Joyce.
Zappa era também um guitarrista infernal! Com um som ,pegada e técnica visionários, em seus longos improvisos ao vivo, criava micro composições (bem ao espírito livre do jazz) ,já antevendo toda a sonoridade modal que iria balizar o som dos guitarristas de rock virtuoses pós- Eddie Van Halen, que flertavam com o fusion.
Um dos livros de referência de Zappa , era o Theasurus of Scales and Melodic Paterns, de Nicolas Slomininsky, um tratado sobre a utilização de dissonâncias, cromatismos e padrões na composição erudita contemporânea. O apreço de Frank por este compositor era tamanho que colocou o mesmo para tocar junto com sua banda em algumas ocasiões.
O livro de Slominsky foi referência para alguns dos maiores solistas que a história recente produziu, desde o próprio Frank, até John Mclaughlin, Jonh Coltrane, Allan Holdsworth, Shaw Lane e até mesmo o hermético BucketHead.
Theasures era , antes de mais nada, um livro de referência, em que vários conceitos sobre utilização de dissonâncias era exposto de maneira escalar(sequencial).Um dos efeitos gerados por tais compositores pode ser encontrado em inúmeras sacadas que estão vinculadas a guitarra elétrica e sua peculiar linguagem.
Encontrar as pentatônicas sobre o campo menor melódico, pode ser uma saída de fácíl visualização, a relação entre elas seria:
Dórico 7+ (penta m6)
Frigio 6( penta 6)
Mixo 4# (penta M7)
Mixo 6b (penta M7)
Some todas elas e abuse dos bons clichês pentatônicos( que fazem o rock acontecer em qualquer circunstância) ; ficará surpreso com o efeito modal gerado sobre qualquer acorde/modo da menor melódica)
Não esqueça de emergir nos discos de Zappa que focam em seus improvisos e paisagens sonoras guitarristicas (“Shut up and play yer guitar” por exemplo). Como dica final, vale a pena dizer que como em quase tudo que se trata sobre guitarra , o Blues está sempre presente ; Zappa, não foi exceção , pois sua guitarra bebeu muito nos solos de alguns de seus heróis como o bluesman Johny Guitar Watson .

Márcio Okayama


IMG_20201122_010430_123

O Paradoxo Pandêmico e as artes….

O Paradoxo Virou clichê da internet a declaração de que mais do que nunca a Arte é um dos portos seguros que vem ajudando as pessoas a suportarem o período de isolamento social, seja música , games, livros, filmes…ou mesmo o trabalho de toda uma cadeia agregada de produtores de conteúdo, está sendo vital para […]