Hendrix… O Shaman das Seis cordas!


Hendrix-Anatomia do solista.

Faz poucos anos , a imprensa especializada norte-americana levantou uma enquete-polêmica, questionando se Jimi Hendrix poderia, ou não, ser classificado como músico de Jazz.
A turma que foi contra, justificou esta postura pelo fato de Hendrix não possuir os quesitos principais para se encaixar nesse nicho; desde a escolha e direcionamento de repertório até o conhecimento harmônico e série de detalhes referentes à dinâmica e interpretação que tornam o jazz território tão denso quanto à música erudita.

Todavia, ninguém menos que John Mclauglhin citou , mesmo com todas estas limitações, a maneira de Hendrix tocar sempre o intimidou dada à força de suas idéias.

Na verdade, Hendrix se iguala aos grandes nomes do Jazz por uma série de pormenores, a começar da maneira com que suas linhas de solo possuiam liberdade quase abstrata,cuja dinâmica e acentuação faz-se paralela à espontaneidade do modo que os grandes solos de Jazz são improvisados.

No primeiro exemplo,temos uma justificativa numa frase similar que Hendrix tocou na introdução de Red House.Reparem como mesmo no desenho mais comum da pentatônica as ornamentações com ligaduras ,somadas a grupetos , tornam a frase de execução difícil.

Hendrix,para muitos, foi aquele que moldou a concepção de um guitarrista solo para os anos vindouros.Sendo o saxofone o instrumento que definiu , nesse século, muito da função de solista no contexto musical , não é de se estranhar que achemos muitos paralelos entre ambos.A maneira com que os bends e vibratos são entonados e as ligaduras usadas, soam parecidos com este instrumento de sopro, dada à fluência e capacidade de ornamentação que ele oferece.Para irmos mais longe , podemos até associar o timbre “cremoso”e ligado da distorção de Hendrix com o som do sax.C om tudo isto em mente e percebam o resultado(muitas vezes um quadro mental bem feito, é fundamental para colaborar com o objetivo).

Como todo grande solista ,Hendrix era um “mestre cuca”em não exagerar nos temperos e quantidades de ingredientes .Um de seus solos mais marcantes é o singelo de “Wind Cries Mary”, uma balada soul music,em que o “timing” e a escolha das notas é a prova de que Hendrix tinha ,acima de tudo, a capacidade de se adequar em relação à musica, desde momentos livres até aos estruturados; uma lição importantíssima para usarmos em nossa música e, por que não na vida?

Miles Davis disse a Mike Stern uma vez :__“Toque como Hendrix”. E um dos frutos desta parceria é o maravilhoso solo de “Fat Time”,do disco “Man with the Horn”, um vamp demolidor . Mike,como sempre, mostra que música é, acima de tudo, música ,independente de rótulos e bandeiras.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>